Projetos Apoiados

O Fundo JBS pela Amazônia apresenta os seus primeiros projetos aprovados. Tendo a ciência e especialistas como parceiros na seleção, o Fundo buscou iniciativas na Amazônia, com soluções baseadas na natureza, para oferecer apoio e visibilidade. As ações serão impulsionadas com foco no desenvolvimento econômico com a conservação da floresta e inclusão das comunidades. Conheça mais sobre os projetos:

14

mil famílias beneficiadas
30

startups de bioeconomia
20

empreendimentos
comunitários alavancados

RestaurAmazônia

Incentivo a 1.500 famílias de pequenos agricultores associando: aumento de renda em 30%, restauração da floresta e redução de emissões de carbono.

Como será realizado:

Implantação de boas práticas agropecuárias via ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural) com intervenção direta em 3.000 hectares, restauração de 1.500 hectares de pastagens degradadas com SAFs de cacau, aumento da produtividade da pecuária e fomento de quatro negócios de assistência técnica em associações e cooperativas locais com capacitação de boas práticas agropecuárias de baixo carbono.

Onde:

Pará - Novo Repartimento, Pacajá, Anapu e Altamira

Cenário e impactos:

A Transamazônica concentra 55% do desmatamento do Pará e em média 27% das pastagens estão degradadas. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Redução de 53% das emissões de GEEs nas propriedades engajadas;
  • Aumento de 30% da renda bruta média das 1.500 famílias beneficiadas;
  • Aumento da produção e comercialização do cacau de 2 para 60 toneladas;
  • Aumento da produtividade da pecuária.

Instituição responsável:

Solidaridad (organização com mais de 50 anos no desenvolvimento de cadeias agropecuárias sustentáveis) e Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM).

Programa Economias Comunitárias Inclusivas

Fortalecimento da bioeconomia do açaí, conservação da floresta, promoção de saúde e educação nas comunidades e aumento da renda das famílias locais.

Como será realizado:

Fábrica própria para produção de polpa de açaí, com manutenção e aquisição de certificações socioambientais, possibilitando a ampliação do portfólio de produtos de alto valor agregado. Finalização da construção da escola-família do Bailique e conclusão da transição de gestão para os dirigentes da Amazonbai.

Onde:

Amapá – Macapá, Distritos de Bailique e Beira Amazonas

Cenário e impactos:

Com baixo conhecimento sobre manejo do açaí e gestão administrativa, os produtores da região têm dependência de intermediários para acessar o mercado. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Conservação de 3 mil hectares de áreas nativas de açaí certificados;
  • Aumento de 83% na quantidade de cooperados e 30% na participação feminina;
  • Autonomia financeira e gestão à Amazonbai e às 2 escolas com modelo inédito de financiamento;

Instituições responsáveis:

Atuação conjunta do Instituto InterElos, Amazonbai, Universidade do Estado do Amapá, Oficina Escola de Lutheria da Amazônia, Instituto Internacional de Educação do Brasil e Instituto Terroá.

Pesca Justa e Sustentável

Conservação da biodiversidade, fortalecimento da cadeia extrativista do pirarucu, melhoria do bem-estar familiar e aumento da produção e da renda para 450 famílias.

Como será realizado:

Aquisição de uma embarcação certificada para fortalecimento da cadeia extrativista do pirarucu e outras espécies, além de elaboração de estudo de viabilidade para indústria de processamento do pirarucu, beneficiando 450 famílias com aumento de renda e produção.

Onde:

Unidades de Conservação (Resex Médio Juruá, Resex Baixo Juruá e RDS Uacari), Terra Indígena (TI Deni do Rio Xeruã) e uma área de Acordo de Pesca

Cenário e impactos:

A região possui insuficiência das estruturas de escoamento no processo de pré-beneficiamento da produção pesqueira e necessidade de alcançar as certificações do MAPA (Ministério da Agricultura) para fornecer matéria-prima processada. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Conservação da biodiversidade em 3 mil hectares de áreas protegidas;
  • Incremento de renda para 450 famílias das 55 comunidades envolvidas;
  • Aumento no volume de produção;
  • Aumento no faturamento anual da Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC).

Instituição responsável:

Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC)

Destravamento de Crédito para Bioeconomia da Floresta

Redução do desmatamento e facilitação de acesso ao crédito rural do PRONAF para as cadeias da bioeconomia da floresta.

Como será realizado:

Contratação e treinamento de ativadores locais e apoio para viabilização de ao menos 2.500 contratos de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), além da promoção de consultoria a 15 cooperativas que buscam financiamento e assessoramento periódico em gestão.

Onde:

Acre, Amazonas, Amapá, Pará e Rondônia

Cenário e impactos:

Devido à falta de conexão entre agente financeiro e comunidade, há baixa utilização do crédito do PRONAF, com apenas 1,1% usado para fomento das cadeias da bioeconomia da floresta. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Redução do desmatamento por meio do fomento das cadeias da bioeconomia da floresta (castanha, açaí, pescado, madeira, óleos e resinas);
  • Bancarização de 2.500 produtores com alavancagem de produção;
  • Aumento da renda e produtividade com assistência técnica;
  • Ampliação do acesso ao crédito PRONAF.

Instituição responsável:

Conexsus - Instituto Conexões Sustentáveis

AMAZ - Aceleradora e Investimentos de Impacto

Inovação nascida na Amazônia para acelerar 30 startups com soluções para as cadeias de biodiversidade.

Como será realizado:

Criação de fundo de investimento blended finance para acelerar 30 startups para alavancagem de negócios da floresta, com estímulo ao ambiente empreendedor e apoio de investidores.

Onde:

Todo o bioma amazônico.

Cenário e impactos:

Escassez de negócios ligados à bioeconomia da floresta e necessidade de promoção da economia substituta ao desmatamento. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Ativação do empreendedorismo de base florestal;
  • Apoio e investimento em 30 startups;
  • Geração de renda impactando 10 mil famílias.

Instituição responsável:

Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam)

Parceria Técnica com a Embrapa

Desenvolvimento científico e tecnológico em prol da integração lavoura, pecuária e floresta, agregando valor com as espécies da bioeconomia e redução na emissão de carbono.

Como será realizado:

Desenvolvimento de novas matérias-primas, ingredientes, produtos e tecnologias para agregar valor às cadeias produtivas da floresta. Além da expansão de novas tecnologias zero ou baixo carbono nos sistemas agroflorestais.

Onde:

Toda a Amazônia Legal

Cenário e impactos:

Escassez de tecnologias disponíveis para agregar valor aos produtos da floresta, falta de metodologias de medição da emissão de carbono para sistemas brasileiros amazônicos. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Agregação de valor aos produtos da floresta;
  • Desenvolvimento de tecnologias de baixo/zero carbono;
  • Tecnologias renováveis para integrar negócios, empresas e startups.

Instituição responsável:

Embrapa.

RestaurAmazônia

Incentivo a 1.500 famílias de pequenos agricultores associando: aumento de renda em 30%, restauração da floresta e redução de emissões de carbono.

Como será realizado:

Implantação de boas práticas agropecuárias via ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural) com intervenção direta em 3.000 hectares, restauração de 1.500 hectares de pastagens degradadas com SAFs de cacau, aumento da produtividade da pecuária e fomento de quatro negócios de assistência técnica em associações e cooperativas locais com capacitação de boas práticas agropecuárias de baixo carbono.

Onde:

Pará - Novo Repartimento, Pacajá, Anapu e Altamira

Cenário e impactos:

A Transamazônica concentra 55% do desmatamento do Pará e em média 27% das pastagens estão degradadas. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Redução de 53% das emissões de GEEs nas propriedades engajadas;
  • Aumento de 30% da renda bruta média das 1.500 famílias beneficiadas;
  • Aumento da produção e comercialização do cacau de 2 para 60 toneladas;
  • Aumento da produtividade da pecuária.

Instituição responsável:

Solidaridad (organização com mais de 50 anos no desenvolvimento de cadeias agropecuárias sustentáveis) e Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM).

Programa Economias Comunitárias Inclusivas

Fortalecimento da bioeconomia do açaí, conservação da floresta, promoção de saúde e educação nas comunidades e aumento da renda das famílias locais.

Como será realizado:

Fábrica própria para produção de polpa de açaí, com manutenção e aquisição de certificações socioambientais, possibilitando a ampliação do portfólio de produtos de alto valor agregado. Finalização da construção da escola-família do Bailique e conclusão da transição de gestão para os dirigentes da Amazonbai.

Onde:

Amapá – Macapá, Distritos de Bailique e Beira Amazonas

Cenário e impactos:

Com baixo conhecimento sobre manejo do açaí e gestão administrativa, os produtores da região têm dependência de intermediários para acessar o mercado. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Conservação de 3 mil hectares de áreas nativas de açaí certificados;
  • Aumento de 83% na quantidade de cooperados e 30% na participação feminina;
  • Autonomia financeira e gestão à Amazonbai e às 2 escolas com modelo inédito de financiamento;

Instituições responsáveis:

Atuação conjunta do Instituto InterElos, Amazonbai, Universidade do Estado do Amapá, Oficina Escola de Lutheria da Amazônia, Instituto Internacional de Educação do Brasil e Instituto Terroá.

Pesca Justa e Sustentável

Conservação da biodiversidade, fortalecimento da cadeia extrativista do pirarucu, melhoria do bem-estar familiar e aumento da produção e da renda para 450 famílias.

Como será realizado:

Aquisição de uma embarcação certificada para fortalecimento da cadeia extrativista do pirarucu e outras espécies, além de elaboração de estudo de viabilidade para indústria de processamento do pirarucu, beneficiando 450 famílias com aumento de renda e produção.

Onde:

Unidades de Conservação (Resex Médio Juruá, Resex Baixo Juruá e RDS Uacari), Terra Indígena (TI Deni do Rio Xeruã) e uma área de Acordo de Pesca

Cenário e impactos:

A região possui insuficiência das estruturas de escoamento no processo de pré-beneficiamento da produção pesqueira e necessidade de alcançar as certificações do MAPA (Ministério da Agricultura) para fornecer matéria-prima processada. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Conservação da biodiversidade em 3 mil hectares de áreas protegidas;
  • Incremento de renda para 450 famílias das 55 comunidades envolvidas;
  • Aumento no volume de produção;
  • Aumento no faturamento anual da Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC).

Instituição responsável:

Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC)

Destravamento de Crédito para Bioeconomia da Floresta

Destravamento de Crédito para Bioeconomia da Floresta

Redução do desmatamento e facilitação de acesso ao crédito rural do PRONAF para as cadeias da bioeconomia da floresta.

Como será realizado:

Contratação e treinamento de ativadores locais e apoio para viabilização de ao menos 2.500 contratos de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), além da promoção de consultoria a 15 cooperativas que buscam financiamento e assessoramento periódico em gestão.

Onde:

Acre, Amazonas, Amapá, Pará e Rondônia

Cenário e impactos:

Devido à falta de conexão entre agente financeiro e comunidade, há baixa utilização do crédito do PRONAF, com apenas 1,1% usado para fomento das cadeias da bioeconomia da floresta. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Redução do desmatamento por meio do fomento das cadeias da bioeconomia da floresta (castanha, açaí, pescado, madeira, óleos e resinas);
  • Bancarização de 2.500 produtores com alavancagem de produção;
  • Aumento da renda e produtividade com assistência técnica;
  • Ampliação do acesso ao crédito PRONAF.

Instituição responsável:

Conexsus - Instituto Conexões Sustentáveis

AMAZ - Aceleradora e Investimentos de Impacto

Inovação nascida na Amazônia para acelerar 30 startups com soluções para as cadeias de biodiversidade.

Como será realizado:

Criação de fundo de investimento blended finance para acelerar 30 startups para alavancagem de negócios da floresta, com estímulo ao ambiente empreendedor e apoio de investidores.

Onde:

Todo o bioma amazônico.

Cenário e impactos:

Escassez de negócios ligados à bioeconomia da floresta e necessidade de promoção da economia substituta ao desmatamento. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Ativação do empreendedorismo de base florestal;
  • Apoio e investimento em 30 startups;
  • Geração de renda impactando 10 mil famílias.

Instituição responsável:

Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam)

Parceria Técnica com a Embrapa

Desenvolvimento científico e tecnológico em prol da integração lavoura, pecuária e floresta, agregando valor com as espécies da bioeconomia e redução na emissão de carbono.

Como será realizado:

Desenvolvimento de novas matérias-primas, ingredientes, produtos e tecnologias para agregar valor às cadeias produtivas da floresta. Além da expansão de novas tecnologias zero ou baixo carbono nos sistemas agroflorestais.

Onde:

Toda a Amazônia Legal

Cenário e impactos:

Escassez de tecnologias disponíveis para agregar valor aos produtos da floresta, falta de metodologias de medição da emissão de carbono para sistemas brasileiros amazônicos. Com a implantação do projeto, os resultados esperados são:

  • Agregação de valor aos produtos da floresta;
  • Desenvolvimento de tecnologias de baixo/zero carbono;
  • Tecnologias renováveis para integrar negócios, empresas e startups.

Instituição responsável:

Embrapa.